desenhos.gif (390 bytes)

OS FLINTSTONES

“Flintstones, são os Flintstones! São da pedra mas muito atuais... Flintstones, são os Flintstones! São modernos e muito legais...” Pronto, agora começa o episódio, e o texto também.

Os Flintstones é uma série que dispensa apresentações (não é?). Durante muito tempo, foi o carro-chefe e um dos símbolos da Hanna Barbera. Criada em 1960, a série teve 166 episódios e continua sendo um dos desenhos mais lembrados por quem foi criança dos anos 60 até hoje (passando, é claro, pelos anos 80).

A história gira em torno de duas famílias que vivem na cidade de Bedrock – uma referência aos seriados americanos “de família” dos anos 50 e 60. A grande sacada era a ambientação: os Flintstones são uma família de homens das cavernas, mas que vivem com, ahn... modernidade (pelo menos para os anos 60).

Yabadabadoo! Dono de um dos gritos mais famosos da história dos desenhos, Fred é o chefe da família Flintstone. Bom, pelo menos ele pensa que é o chefe. Quem manda na casa mesmo é Wilma, que fica batendo os pezinhos esperando o marido, quando ele apronta alguma. “Ah, quando eu puser as mãos no Fred...” Fred é teimoso, nervoso e com um grande apetite para costeletas (enormes!) de brontossauro. Trabalha dirigindo um bronto-guindaste na construtora do Sr. Pedregulho. É também um pai muito, muito coruja.

O objeto da corujice de Fred é Pedrita, uma garotinha lindinha e ruiva como a mãe. Diz a lenda que em 1962, quando decidiram mandar a cegonha para a casa dos Flintstones, a idéia inicial era que fosse um menino, mas os marketeiros de plantão da Hanna-Barbera preferiram uma garota – que renderia mais em licenciamento de produtos como bonecas, por exemplo.

Mas... passemos para a casa ao lado, onde mora o melhor amigo de Fred, Barney Rubble, e a melhor amiga de Wilma, Betty (famosa pelas risadinhas). Barney é um amigo fiel e um tanto ingênuo – é só contar o número de vezes que ele se meteu nas encrencas e planos mirabolantes inventados pelo vizinho. Quando isso acontece, Betty e Wilma precisam entram em ação! Para livrar os maridos das confusões que aprontam e para darem uma bronca depois.

Após o nascimento de Pedrita, os Rubble ficam meio chateados de não poderem ter um filhinho só deles. E resolvem adotar Bam-Bam, um garoto com força sobre-humana que depois se tornaria namorado – e marido - de Pedrita. Agora, um parênteses: você já viu alguma outra série infantil, nos anos 60, tratar do tema da adoção de crianças?

Os Flintstones foram pioneiros em vários aspectos – e nem é por terem sido da pré-história! Foi a primeira série a passar em horário nobre nos Estados Unidos (classificada como “programa para toda a família”, ela não ficava relegada aos “horários infantis”) e a ter uma história de trinta minutos. Até então, os desenhos duravam pouquinho e eram exibidos um depois do outro. A duração maior de cada episódio possibilitou a criação de histórias mais elaboradas – que chegaram até a durar vários episódios (a-há! Os Flintstones também foi a primeira série de desenhos a ter “continua” na TV).

A série parou de ser produzida pela Hanna Barbera em 1966, mas continuou rendendo filhotes: nos anos 70, os Flintstones voltaram à TV, com Pedrita e Bam-Bam adolescentes. Em 1962 foi lançado “Os Jetsons”, uma versão futurista dos Flintstones (e, cá entre nós, não tão divertida). Em 1986 foi lançada a versão “baby” da série: “Os Flintstones nos Anos Dourados”.

O primeiro filme baseado na série foi lançado em 1994, com John Goodman e Rick Moranis no papel dos amigos inseparáveis e uma participação especial de Elizabeth Taylor como a terrível sogra de Fred. O filme rendeu uma seqüência em 2000, mas não com o mesmo elenco – nem o mesmo sucesso.

Tecnologia da idade da pedra

Na falta de energia elétrica, temos... a energia animal! Na falta de motor, usemos os pés! Para driblar a falta de várias descobertas tecnológicas que só aconteceriam muitos milênios depois, os habitantes da cidade de Bedrock são muito criativos (veja abaixo a lista com exemplos de invenções que ficaram famosas na série). Abaixo, uma lista das invenções mais legais dos habitantes de Bedrock (lembra de mais alguma? Mande pra gente!).

Máquina de lavar roupa: um pássaro que fica sapateando numa tina de pedra cheia de água e sabão.
Chuveiro e torneira: um mamute que fica do lado de fora da janela (lógico – um mamute não caberia dentro de casa!), espirrando água pela tromba.
Aspirador de pó: pequeno mamute sobre rodas, que aspira a poeira (mamutes são muito usados na idade da pedra!)
Semáforo: macaco que fica suspenso num poste, mudando as plaquinhas de verde para vermelho, e vice-versa.
Guindaste: um brontossauro com uma cabine de comando instalada na costas. Como é que o Fred desce de lá? Escorregando pela cauda!
Vitrola: disco de pedra que gira sobre o casco de uma tartaruga. A agulha é o bico de um pássaro.
Sirene de carro de polícia: uma cordinha puxa a cauda de um pássaro, que começa a gritar.
Automóvel:
como ainda não haviam inventado o motor, é uma estrutura de pedra em forma de carro, movida por impulso humano. Em vez de “quantos cavalos”, o ideal seria perguntar: “quantos pés tem seu carro?”.
Triturador de alimentos: um porco (ou javali?) que fica instalado debaixo da pia.
Fogão: um quadrado de pedra, com bocal e tudo. Uma das partes é aberta, por onde um dragãozinho fica soltando fogo.
Ventilador: um pássaro que fica girando a cauda.

--
Elisa Volpato

FICHA

Os Flintstones
Título original:
The Flintstones - Estados Unidos, 1960 - 1966
Produzido por: Hanna Barbera

Foram 6 temporadas, com 166 episódios da série original.
Filhotes: Os Jetsons (1962), Os Flintstones nos Anos Dourados (The Flintstones Kids - 1986) e filmes: Os Flintstones (1994) e Os Flintstones em Viva Rock Vegas (2000).


Ainda passa: Boomerang (Cartoon Network - confira a programação no site
www.cartoonnetwork.com.br)
SBT - Sessão Desenho, segunda a sexta, de manhã.

Yabadaba-sites:
www.topthat.net/webrock
i-flintstones.tripod.com
bedrock.deadsquid.com


Os desenhos desta seção foram escolhidos de acordo com o que fez sucesso na TV nos anos 80. Embora muitas séries tenham começado antes, elas fizeram parte da infância e adolescência de quem viveu a década.


edições anteriores

voltar